sábado, setembro 23, 2006

A verve libertina de Natal

Fantástica Nathália...
Encartes, Jornal de Natal

Um clarão muito forte e carregado de vitalidade fez sua aparição, este mês, no escuro de breu do céu de Natal. Chegou como uma radiação estimulante, em caráter de resistência, como uma centelha de vida, em meio ao verdadeiro torpor de que a população se fizera vítima. Merece registro essa sensação coriscante, pelo excesso de imaginação, num momento em que as eleições, com sua procissão de mortos-vivos e seus véus de intimidações dissipadoras asfixiavam, com suas mensagens mortiças e desalentadoras, a energia libidinal da urbe.
Seu nome, de mulher, carrega lembranças irremediáveis da cidade de Cascudo – Nathália de Sousa –, na verdade uma cidadã potiguar que estaria radicada há mais de 30 anos na Cidade Maravilhosa, fruindo as licenciosidades do underground carioca, e dali teria se virado, suspendendo o gozo interminável dos volteios libidinosos e exaltações flexuosas do mais imoderado Rio de Janeiro para a pacata e enzoneira Natal, a quem ofereceu, em forma de livro, seu arrebatamento invulgar, na obra "Poemas Devassos e uma canção de amor". O lançamento teve lugar na quinta-feira, dia 14, na Livraria Potilivros do Seaway Shopping, em sarau que marcou a estréia da até então desconhecida poeta entre os admiradores de literatura da província.
O lançamento, que segundo a crônica, teria agitado o meio literário natalense, não chegou a causar o frisson que se aguardava, em razão do potencial inflamável da produção da astuciosa escritora. Sabe-se que o grosso de sua poesia, pelo menos a que chegou aos ávidos olhos da sequiosa e desajuizada platéia, se configura em composições fesceninas, "poucas vezes escrita por uma mulher", segundo a averiguação de críticos a postos para a análise da obra.
Sua produção, elogiadíssima pela qualidade dos versos, apresenta alto teor erótico e que remete à poesia de Bocage, tendo despertado grande interesse de leitores locais para conhecer uma autora da qual nunca se ouvira falar e que apresenta grande ousadia poética, disse a crítica local. (Foto.)

Um comentário:

tertu disse...

menino,
já tinha ouvido falar nisso.tô passado!
um tremendo jogo de "marketing"!
abs.tertu