quinta-feira, setembro 21, 2006

Enfim, campanha promocional do turismo

(Coluna Hoje na Economia, Marcos Aurélio de Sá, Jornal de Hoje, Ano IX - Nº 2635 - Quinta-feira, 21 de setembro de 2006. Agradecemos a transcrição. Veja no JH. Veja no El Mundo.)

"Quando alguns milhões de os espanhóis que são leitores do diário madrileno "El Mundo" acordaram na manhã do último domingo, 17 de setembro, e começaram a folhear o jornal, depararam-se - na página 7 do primeiro caderno - com uma destacada reportagem sobre Natal, um destino turístico exótico e ensolarado da América do Sul para onde viajam, todos os anos, centenas de milhares de europeus em férias.
Mas não se tratava de uma matéria favorável à imagem da capital do Rio Grande do Norte, dessas que o "trade" turístico e as autoridades públicas do Turismo conseguem plantar com razoável facilidade nos meios de comunicação de massa pelo mundo a fora, mediante compra de espaços publicitários ou oferta de famtours (viagens e hospedagem gratuitas) a jornalistas especializados na cobertura a este importante setor da economia moderna.
Natal ganhou reportagem de página inteira numa edição de domingo do maior jornal da Espanha para ser denunciada como "ciudad europrostíbulo de Brasil" (cidade-prostíbulo europeu do Brasil) e "una ciudad de Rio Grande do Norte, el más pobre de Brasil" (uma cidade do Rio Grande do Norte, o Estado mais pobre do Brasil) que "se ha convertido en la nueva meca brasileña del turismo sexual europeo" (se converteu numa nova meca brasileira do turismo sexual europeu).
O nosso principal pólo turístico, a praia de Ponta Negra, é assim descrita:
"Su playa de Ponta Negra es, hoy por hoy, el europrostíbulo mas selecto de sulamérica. En burdeles, discotecas y los alrededores de la playa al entardecer, unas 1500 garotas jóvenes ofrecen no solo placer. Tambien pesadillas" (Sua praia de Ponta Negra é, hoje em dia, o euro-prostíbulo mais seleto da América do Sul. Em bordéis, discotecas e nos arredores da praia no começo da noite, umas 1.500 garotas jovens oferecem não só prazer, mas também pesadelos).
O foco da reportagem era, na verdade, a onda de chantagens e outros crimes que o submundo da prostituição em Natal - voltado para o atendimento das carências e das taras sexuais da multidão de homens da Espanha que, desacompanhados de suas mulheres, chegam sozinhos ou em grupos à nossa cidade em busca sexo abundante, barato e sem compromisso - vem eventualmente praticando contra esta classe pouco recomendável de turistas que não se tem como evitar em qualquer parte do subdesenvolvido terceiro-mundo.

Um comentário: